Euclides Moraes Gomes

Autor

Euclides Morais Gomes viveu seu tempo de juventude sem se esconder no conforto da alienação, sabendo que tal medida poderia custar alto preço. Não hesitou em exercer com plenitude sua missão de lutar no momento certo para que suas ideias libertárias atingissem a plenitude com a vitória do socialismo por onde quer que transite.

O texto que se apresenta é por vezes poético na sua narrativa, outras vezes surpreende com revelações inusitadas, mas sempre com grande carga de  humor e entusiasmo, mesmo nos momentos mais duros, quando ele permaneceu por longo nove meses, num Centro de Refugiados da Nações Unidas, após o golpe de 11 de setembro, no Chile de 1973.

O que se pode dizer desse revolucionário é que dedicou grande parte do seu tempo de juventude às causas que movimentaram a rebeldia dos anos 60/70. Causas que eram embaladas por líderes como Che Guevara, Marighela, Lamarca, e pensadores como Jean-Paul Sartre e Régis Debray. Tinha a certeza que o Socialismo era a melhor opção para implantar a harmonia e justiça social à classe trabalhadora.

Perseguido pelo SNI em todos os lugares que se refugiava, acabou recebendo exílio definitivo na França. Em Paris permanece até hoje onde, refletindo sobre sua trajetória, resolveu escrever seu testemunho sobre o que viveu nos anos que abalou o mundo moderno.

Esse brasileiro do Sul, a exemplo de outros tantos, participou com coragem dos movimentos libertários de sua época, presenciou a tortura e morte de tantos companheiros, mesmo assim não recuou e contribuiu no Brasil, no Chile e em Portugal, com os mesmos objetivos: um sentido mais digno aos trabalhadores de todos esses lugares.