Agenda | Cinema | Cine Iberê | Porto Alegre

Cine Iberê exibe filme-ensaio de Joel Pizzini sobre o cineasta Rogério Sganzerla

Sessão gratuita acontece no domingo, 07 de janeiro, com comentários do doutor e pesquisador em cinema, Jamer Guterres de Mello.

No próximo domingo, 07 de janeiro, a partir das 16 horas, a Fundação Iberê Camargo exibe a primeira edição de 2018 do programa Cine Iberê, que traz sessões de cinema comentadas, com o intuito de promover a reflexão dos temas ligados às exposições em cartaz.

 

A primeira sessão do ano será do filme-ensaio de Joel Pizzini, Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz, comentada pelo pesquisador em cinema e doutor em Comunicação, Jamer Guterres de Mello.

Vencedor do É Tudo Verdade - Festival Internacional de Documentários em 2012, Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz  recria o ideário do cineasta Rogério Sganzerla por meio dos signos recorrentes em sua obra: Orson Welles, Noel Rosa, Jimi Hendrix e Oswald de Andrade, que são consideradas as matrizes de seu pensamento.

 

O método de criação, a musicalidade do olhar, o estilo inovador na montagem, o duo com a atriz e companheira Helena Ignez que revolucionou a "mise en scène" no cinema, a parceria com Júlio Bressane na produtora Belair e a atitude iconoclasta do autor atravessam o filme numa linguagem que se contamina com a dicção vertiginosa do artista.

 

Narrado em primeira pessoa, a partir de imagens raras e situações encenadas hoje com personagens-chave de sua obra, o filme revela a cosmovisão do autor catarinense, refletindo sobre seu percurso inventivo.

Rogério Sganzerla é um dos cineastas mais significativos do país e que se tornou conhecido pelos clássicos O Bandido da Luz Vermelha (1968) e A Mulher de Todos (1970), sucessos de bilheteria e de crítica. Intelectual e transgressor, Sganzerla iniciou como crítico aos 17 anos, escrevendo no suplemento literário do Estado de S. Paulo e depois no Jornal da Tarde, onde trabalhou como correspondente no Festival de Cannes.

 

Nos anos 70, no auge da contracultura, fundou com a atriz Helena Ignez e o diretor Júlio Bressane a produtora Belair, que produziu seis longas-metragens em seis meses. Pela radicalidade e dimensão anárquica da experiência, e impedido de finalizar e distribuir Copacabana Mon Amour e Sem Essa Aranha, ele partiu para o exílio em Londres. Ao lado de Helena, sua companheira por mais de três décadas, revolucionou a arte de interpretar no cinema, produzindo trinta filmes, entre longas, vídeos e curtas-metragens.

 

Autor do livro Cinema Sem Limites e de inúmeros roteiros inéditos, Sganzerla compôs uma tetralogia sobre a passagem de Orson Welles pelo Brasil, que culminou com Signo do Caos (2003). "Um cineasta para o novo milênio" como definiu o crítico do Cahiers Du Cinema, Bill Krohn. O pensador-criador catarinense vem sendo redescoberto por festivais internacionais como Turim, Fribourg e Bafici que organizaram retrospectivas integrais de sua filmografia.

Joel Pizzini é autor de filmes ensaios, videoinstalações e textos críticos, que conquistaram dezenas de prêmios nacionais e internacionais. Filmes como Enigma de um Dia (1996) e Anabazys (2009) representaram o país no Festival de Veneza, assim como Glauces, Estudo de um Rosto (2001) eDormente (2005) que concorreram,  respectivamente, em eventos importantes como o Festival de Locarno e Oberhausen. Seu primeiro curta, Caramujo-Flor (1989), ganhou o prêmio principal no Festival de Huelva (Espanha). Com os longas 500 Almas (2004) e Anabazys (2009) conquistou os prêmios de Melhor Filme, Som e Fotografia, o prêmio Especial do Júri e o de Melhor Montagem, nos Festivais do Rio, de Mar del Plata e de Brasília, entre outros.

 

Em 2012, Pizzini realiza o longa-metragem Olho Nu, sobre Ney Matogrosso, e em 2015, o curta-metragem Mar de Fogo, a partir do universo de Mário Peixoto. É conselheiro da Escola do Audiovisual de Fortaleza; professor da Faculdade de Artes do Paraná; curador da restauração da obra de Glauber Rocha e codiretor com Paloma Rocha dos documentários extras dos DVDs do cineasta; Foi curador das retrospectivas Faces de Cassavetes, Festival Jodorowsky, Estratégia do Sonho, o Primeiro cinema de Bertolucci, e Ocupação Sganzerla;  participou do projeto Artecidade, Bienal de São Paulo e Bienal do Mercosul com videoinstações e direção de performances.

James Gutierres de Mello é Doutor em Comunicação e Informação e Mestre em Educação pela UFRGS. Atua como pesquisador na área de Comunicação, com ênfase em Audiovisual e Teorias da Comunicação, nos temas cinema documentário; cinema experimental; história e teorias do cinema, estéticas da comunicação, videoinstalação; relações entre artes visuais e cinema. Atualmente desenvolve projeto de pesquisa sobre as videoinstalações do artista e cineasta alemão Harun Farocki, no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo.

O filme Mr. Sganzerla - Os Signos da Luz integra o projeto Iconoclássicos, uma realização do Itaú Cultural. Para assistir o trailer acesse:

 https://m.youtube.com/watch?v=RM6AD6jOmUY.

Serviço:  Cine Iberê

Domingo, 07 de janeiro, às 16h - Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz , de Joel Pizzini (1h30min, 2011, Brasil). Sessão comentada com Jamer Guterres de Mello.

Sessão única  | Entrada franca.

 

Endereço: Fundação Iberê Camargo - Avenida Padre Cacique, 2000

 

Transporte: As linhas regulares de lotação que vão até a Zona Sul de Porto Alegre param em frente ao prédio, assim como as linhas de ônibus Serraria 179 e Serraria 179.5. É possível tomá-las a partir do centro da cidade ou em frente ao shopping Praia de Belas. O retorno pode ser feito a partir do Barra Shopping Sul, por onde passam diversas linhas de ônibus com destino a outros pontos da cidade.

 

Sobre a Fundação Iberê Camargo

A Fundação Iberê Camargo é uma instituição privada sem fins lucrativos, criada em 1995, a partir de um desejo do próprio artista e sua esposa, Maria Coussirat Camargo, e com o apoio de amigos e empresários de Porto Alegre.

Há 22 anos, a Fundação desenvolve ações culturais e educativas com a missão de preservar o acervo, promover o estudo, a divulgação da obra de Iberê Camargo e estimular a interação de seu público com arte, cultura e educação, por meio de programas interdisciplinares. Seu acervo é formado por um núcleo documental, composto de documentos e imagens relacionadas à vida e à obra do artista, e um núcleo com a coleção Maria Coussirat Camargo, que inclui pinturas, gravuras, guaches, desenhos e estudos de Iberê Camargo, obras que o casal acumulou durante a vida.

A sede da instituição, inaugurada em 2008, foi projetada pelo português Álvaro Siza, um dos arquitetos contemporâneos mais importantes do mundo. O projeto recebeu o Leão de Ouro da Bienal de Arquitetura de Veneza (2002) e é mérito especial da Trienal de Design de Milão.

Referência arquitetônica na cidade de Porto Alegre, o prédio possui salas expositivas, átrio, reserva técnica, centro de documentação e pesquisa, ateliê de gravura, ateliê do educativo, auditório, loja, cafeteria, estacionamento e parque ambiental projetado pela Fundação Gaia.

Iberê Camargo

[Restinga Seca, 1914 – Porto Alegre, 1994] - Iberê Camargo é um dos grandes nomes da arte brasileira do século 20. Autor de uma extensa obra, que inclui pinturas, desenhos, guaches e gravuras, Iberê nunca se filiou a correntes ou movimentos, mas exerceu forte liderança no meio artístico e intelectual brasileiro. Dentre as diferentes facetas de sua vasta produção, o artista desenvolveu as conhecidas séries Carretéis, Ciclistas e As idiotas, que marcaram sua trajetória. Grande parte de sua produção, estimada em mais de sete mil obras, compõe hoje o acervo da Fundação Iberê Camargo.