01.png
03.png

Em nome da paz, um romance histórico na fronteira tênue entre o imaginário e o real

Davi Oliveira, militante das lutas sociais, nos traz um romance revolucionário, quando homens e mulheres, convictos da causa que abraçam, não medem esforços e nem veem dificuldades para se entregarem à luta.

02.png

            Em seu mais recente romance Em Nome da Paz o autor Davi Lima de Oliveira aborda os dilemas políticos e ideológicos experimentados por dois jovens no período mais repressivo da ditadura civil-militar no Brasil (1967 a 1973). O livro é fundamentado na história política brasileira e proporciona ao leitor ambientar-se aos cenários, onde adota uma narrativa do cotidiano, ao ressaltar a importância da política para a construção do ser humano/cidadão ao refletir sobre as contradições inerentes a época.

            Em Nome da Paz apresenta também referências históricas de outros países, como da França, Itália, Estados Unidos, União Soviética (atual Rússia) e Cuba. Um dos pontos importantes da abordagem do autor consiste sobre os elementos geográficos e históricos que são mesclados à ficção, deixando para o leitor decifrar a fronteira que separa o imaginário do real.

             Olhando mais atentamente, Em Nome da Paz se trata de uma delicada história de amor entre duas personagens de mundos diferentes. De um lado, uma mulher militante política que em função das lutas contra a ditadura renuncia a oportunidade de viver um grande amor, embora ainda chore em função disso. Na outra ponta, um jovem de vida voltada à boemia, romances, criado em uma família conservadora.

           

           Em um encontro de estudantes ele conhece essa mulher diferente de seu mundo, vive uma paixão avassaladora que toma conta de sua mente e de seu corpo. Proibido de viver esse amor por questões políticas, ele sai do Brasil. Lá fora, longe de seu mundo, larga a vida de ‘glamour’ e torna-se, em meio as injustiças que passa a conhecer, um militante político.

         Essa história relata torturas e sequestros que aconteceram neste período e perpassa 1968, ano de grandes efervescências e lutas políticas pelo mundo. Este encontro entre realidade e ficção é a leitura que você está convidado a fazer.

O Autor

         Davi Lima de Oliveira nasceu em Alegrete, estudou filosofia, formado em Direito com Pós em Jornalismo Esportivo. Teve presença constante na redemocratização do Brasil, participou das lutas pela Anistia, Diretas Já, formação da CUT e reconstrução da UNE.

        O autor viveu o horror do período da ditadura, lutou para que às novas gerações jamais passassem por isso. Hoje questiona os rumos que o país tomou, mostrando que a realidade construída após a volta da democracia também ficou aquém dos sonhos de mudança, que muitos esperavam e por elas deram a vida.

       Tem dois livros publicados, sobre a história mundial do esporte da bocha e do Grêmio, clube do seu coração. O autor costuma dizer que em respeito aos grandes escritores que admira, se reconhece como um escritor amador. Hoje vive em Porto Alegre, RS, Brasil.

04.jpg