Literatura | Poesia | Marcos Fernandez Oliveira Cunha

Marcos Fernandez Oliveira Cunha

O poeta Marcos Fernandez Oliveira Cunha possui dois livros publicados pela Muruci Editor e o terceiro já está a caminho. Aqui ficamos sabendo um pouco mais sobre a composição de seus versos, sua visão de literatura e ainda conferimos um poema inédito em primeiríssima mão.

     Autor de "Poemas Quase Esquecidos" e "Poemas da Juventude", Marcos Fernandez escreve desde a adolescência, quando, conciliando a rotina de trabalho e estudo, via Mario Quintana caminhando na Praça da Alfândega. Marcos mora até hoje em Porto Alegre e conta que, na época, lia os poemas de Quintana no Jornal Correio do Povo, tradicional na cidade.

     Castro Alves e Vinícius de Moraes são outros autores constantes nas prateleiras de Marcos, que acredita ainda haver pouco espaço para a literatura no país: "infelizmente não valorizamos muito a literatura. Não há muito espaço para autores novos. Lemos pouco."

       Seus dois livros publicados têm como fio central o amor que para o autor é um tema universal: "as pessoas ainda querem amar e serem amadas. A busca da felicidade acompanha os homens desde os primórdios da civilização. Nos dias de hoje os relacionamentos estão mais abertos, tanto o homem como a mulher estão mais livres para buscarem a felicidade." 

       É esta busca que permeia seus poemas, recheados de memórias, emoções, contemplações: é fácil se identificar com as angustias e as alegrias nos versos de Marcos, são experiências humanas, de beleza singela e intensa, o tipo de verso que te faz boa companhia a qualquer momento.

      Como o próprio autor nos confidencia são livros construídos através de inspiração e lapidação, cheio de experiências próprias, e também, como todo bom escritor, experiências observadas, sentimentos que capta pelo mundo: "o poeta é um observador do seu tempo."

        Amadurecendo seus versos através do tempo, Marcos confere ao seu trabalho artístico a visão de um poeta sempre transformado pela vida, aceitando as perdas como parte natural do processo, sem nunca perder o foco na experiência de amor, de beleza, e de poesia.

       Marcos ainda nos revela que sempre teve vontade de publicar seus versos, e que ver seus poemas em livros sempre traz muita emoção.

 

      E não para por aí. Marcos está trabalhando no seu terceiro livro, um projeto cuja visão está focada na vida atual, no amor, e nas dinâmicas da nossa sociedade.

         Os livros de Marcos podem ser encontrados na loja virtual da Muruci Editor e também na Padula Livros. Os lançamentos dos livros foram feitos na Feira do Livro de Porto Alegre e ambos tiveram sessões de autógrafo.

Autor Marcos Fernandez Oliveira Cunha apresenta seu segundo livro Poemas Quase Esquecidos, publicado pela Muruci Editor em 2017 e convida para a sessão de autógrafos durante a 63ª Feira do Livro de Porto Alegre.

Confira a seguir alguns poemas de Marcos Fernandez Oliveira Cunha e, com exclusividade, um poema inédito de seu futuro livro.

Facetas

(Poema Inédito)

O tempo rasga

nossa vida

traz rugas ..... rusgas

         anseios

         desejos

         certezas .... incertezas

          realizações ..... frustrações

traz caminhos ..... descaminhos

          maus ou bons

          sorte ou azar

binômios?!

 

Olhando bem traz

múltiplas facetas ......

 

***
 

Felicidade e tristeza

(Poemas Quase Esquecidos)

Felicidade é divisar o sol no amanhecer
incendiando-se no céu......
Tristeza é pressenti-lo morno ... sem vida.


Felicidade é ver o futuro
traçar-se de perspectivas novas.
Tristeza é senti-lo cheio de dúvidas ..... incertezas.


Felicidade é ter o sorriso
sempre de sentinela, aquartelado na vida.
Tristeza é não tê-lo em prontidão!


Felicidade é possuir teus gestos graciosos.
Tristeza maior é tê-los esparsos ....


Felicidade é ter a ânsia de chegar
de ser esperado .....aguardado.
Tristeza é saber que não há alguém,
a nos esperar...

***

A tarde é tua...

(Poemas Quase Esquecidos)

Em instantes estarei nas ruas
com o coração para te oferecer, que ainda é teu !
Cruzarei sinais !


Te encontrarei !
Serão poucas horas, pelo menos estaremos juntos,
da última vez, deixamo-nos envolver por conversas
evasivas.
Por ciúmes, coisas tão mesquinhas .....


A tarde é tua !
Sempre foi, serão tuas,
estando você perto .... longe,
não mais das crianças, dos velhinhos
que gozam a intensidade do amor,... da inocência,... da
saudade !


Andaremos a passos tardos
nossos corações a passos largos.
Céu ! Para que céu quando estamos juntos ....


Há um horizonte a ser descoberto, apreciado,
há tanto o que dizer !
Não teremos noite, luar, estrelas,
esse momento é nosso .... entenda !
Não existe mais ninguém .... só você ...


Ouçamos os pássaros entoando cantigas,
reclamando as tardes . Nunca as terão !
Os pássaros endossam nosso amor .

***




 

Crepúsculos

(Poemas da Juventude)


Após as colinas
negras como a noite,
em meio ao céu enevoado.


Lá só existe silêncio
aliado a natureza majestosa,
sendo que
os montes avistados
parecem músculos da natureza.


Naquelas paragens,
onde nenhum homem pisou,
maõs nunca tocaram e olhos
curiosos esgugitaram.....


Avista-se os crepúsculos
que de dia ou de noite
são sempre negros.


Cheios de mistérios,
parecem trevas
que fazem parte de uma utopia.


Pois, quais os mistérios
que o homem ainda não desvendou,
ou se todos
ou muitos pouco faltam
Para alcançarem este.