Nelson Brauwers reúne neste livro versos nos quais mergulhamos delicadamente e, desavisados, nos deparamos com a nossa própria fundura. Temas como o desejo, a morte, a ausência, as lembranças, os profundos afetos sejam eles familiares ou não, compõe uma significativa coleção de poemas cujas metáforas ecoam para além da literatura.

Como lhe disse Moacyr Scliar quando o autor lançava A subversão dos delírios: “Incrível, a força de teus poemas. Incrível, também na originalidade”. Muitas linhas em Memórias de Outro nos remetem ao mais singelo sentimento humano, algo que brinda a humanidade de nossos apegos mais primitivos. Investigamos então, no decorrer das páginas, nossas próprias memórias, e vislumbramos por fim, o coração poético da experiência humana.

A casa

Dentro daquela casa

quase um quadro

ou labirinto

mora você

e também estou se quiseres

embora furtivo

mas mora você

e é inevitável

que eu pense na casa da esquina

sem cor definida

escorrendo com suas águas

e algumas vezes com seu destino

mas é você que mora

e o meu entendimento desta geografia

desta platibanda quase no ar

nas formas torcidas

de alguns defeitos inquietos

dos efeitos como máscaras

são assim sombras

mas mora você

e a casa é luz

é um coração aberto

que faz em mim a casa habitada